Prefeitura de São Paulo chantageia servidores em greve com corte de ponto

Cedendo à pressão de Bruno Covas, a direção de algumas escolas e outros aparelhos públicos municipais descontaram os dias paralisados dos salários dos servidores em greve.

Em greve desde o dia 04/02 contra a Reforma da Previdência municipal, que institui o regime de Previdência complementar, o Sampaprev, e aumenta o valor de contribuição dos servidores de 11% para 14%, os servidores do município de São Paulo tiveram parte de seus salários cortados para o mês de março. Essa ação demonstra o total desrespeito e autoritarismo do prefeito Bruno Covas ao direito à greve, constrangendo servidores a prejudicar outros servidores em luta pela garantia da aposentadoria e contra o que é considerado um confisco salarial.

A intransigência de Covas para com as demandas dos servidores municipais também se manifestou durante a rodada de conversas com as entidades representativas das categorias em greve, realizada nas manhãs dos dias 21/02 e 22/02. A prefeitura não se dispôs a discutir o Sampaprev de imediato, propondo, ainda, que os servidores em greve recebessem faltas justificadas em vez das injustificadas atualmente impostas pela gestão municipal, o que reforça um flagrante desrespeito ao direito à greve. Além disso, foi proposta a instituição de uma política de “meritocracia” semelhante à da rede estadual, precarizada pelos governos tucanos há décadas e que não constitui, na prática, uma política real de valorização dos servidores.

Na última assembleia realizada no dia 22/02, com a presença de cerca de 100 mil pessoas, de acordo com o Sindicato dos Profissionais em Educação do Município de São Paulo (Sinpeem), os servidores decidiram pela continuidade da greve e aprovaram a criação de um fundo de greve para garantir a permanência da força do movimento. Porém, frente às manobras já ocorridas, com mudanças de trajetos dos atos aprovados pelas categorias, e a falta de empenho das diretorias dos sindicatos que coordenam o movimento, a dúvida sobre o funcionamento do fundo recai sobre os trabalhadores.

Dado este momento, é importante que os servidores de São Paulo não se intimidem frente ao ataque e a intransigência de Bruno Covas, dando como resposta o fechamento de 100% das escolas, UBS e demais serviços do município. Que façam pressão às diretorias de seus sindicatos para que o fundo de greve entre em funcionamento e que sejam radicalizadas as ações desde a base, evitando futuras manobras e impondo a derrota com a revogação da Lei 17.020/2018, além do empenho na articulação do calendário de lutas contra a Reforma da Previdência federal de Bolsonaro.

A próxima assembleia ocorrerá na terça-feira 26/02, às 15hrs em frente à Prefeitura. Contra o Sampaprev e contra a chantagem!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s