Como funciona a democracia direta? Resistência Popular – RS

Cartaz das companheiras e dos companheiros da Resistência Popular do Rio Grande do Sul, sobre a democracia direta, um de nossos princípios. Organize-se! Junte-se à Resistência Popular!

RP

instância
> espaço coletivo de debate <

Pode ser uma reunião de delegados sindicais, uma reunião de moradores, uma assembleia de estudantes, reuniões de agrupamentos. É possível dividir grandes coletividades em instâncias com menor número de pessoas para facilitar o debate e
as decisões. Neste caso é preciso articular as várias instâncias para que todas pessoas possam participar das decisões (federalismo). Deve ter critérios de participação para manter o protagonismo de quem está na luta. Deve acontecer periodicamente para evitar que no vazio de decisões coletivas, alguém decida sozinho.

acordos
> resultado da deliberação <

Com o debate coletivo, é preciso fazer “encaminhamentos” definindo bem o que o
coletivo decidiu fazer sem terceirizar as ações. Todas as propostas devem ser
consideradas, sempre levando em conta os princípios éticos e políticos do coletivo.
Pode se chegar a um acordo por consenso ou por votação quando houver divergências.

delegação
> designação para agir <

Com as decisões tomadas, é preciso definir quais pessoas vão executar. Em geral é
impossível que todo mundo faça tudo o que foi decidido ao mesmo tempo. Trata-se de dividir o trabalho para se chegar a um objetivo comum, sem abrir mão de fazer acontecer pelas próprias mãos (ação direta). É importante que fique bem demarcado qual o limite do que o delegado pode e não pode fazer, pois ele não pode agir por conta própria em nome de uma coletividade. Um delegado pode, inclusive, participar em outra instância de debate levando as decisões coletivas definidas nas instâncias anteriores.

Mais se fala do que se faz democracia

Mesmo alguns grupos que se dizem de esquerda sempre que podem burlam as instâncias de participação para fazer acordos por fora e dirigir a luta a partir de seus próprios interesses. Esses grupos definem sua atuação não a partir dos debates entre colegas ou vizinhos, mas sim com vereadores e burocratas do seu partido. Fazem isso afirmando representar quem não participou das decisões e muitas vezes visando cálculos eleitoreiros. A democracia representativa, liberal e burguesa tem seu melhor exemplo nos vereadores, deputados e governantes que em geral nada respondem aos que os elegeram. Mas não para por aí. Sindicatos, associações de bairro, grêmios estudantis, diretórios acadêmicos, movimentos sociais em geral muitas vezes tendem a repetir este problema. Às vezes por vício, às vezes por má fé. Para evitar que se criem chefes eternos, burocratas carreiristas e corruptos é preciso outra forma de democracia: a democracia direta!

Defender a democracia direta é defender que as pessoas tenham o direito de participarem da política e de decisões que afetam suas vidas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s